Quinta-feira
21 de Novembro de 2019 - 

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico

Notícias

Newsletter

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Justiça de Mococa concede acompanhamento especial para aluno com deficiência física

Menor frequentará escola de ensino regular.           O juiz Djalma Moreira Gomes Junior, da 2ª Vara da Comarca de Mococa, determinou, em decisão liminar, que a Prefeitura disponibilize enfermeiro, cilindro de oxigênio diário, realize avaliação psicopedagógica multidisciplinar e elabore projeto pedagógico inpidualizado para garantir a inclusão de aluno com necessidades especiais na rede de ensino regular. O menor, que frequenta a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) no período da manhã, possui limitações físicas que demandam acompanhamento integral de profissional de saúde e passará a acompanhar as aulas em escola municipal de ensino básico no período da tarde.         Na decisão, o magistrado destacou que “a inclusão em ensino regular é a medida prioritária a ser adotada, sendo que a inclusão em ensino especial é exceção e deve ser praticada somente quando não houver qualquer viabilidade de inclusão no ensino regular”. Ele citou, dentre outras legislações, o Decreto nº 6.949/09, que promulgou a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, que prevê que o Estado, para assegurar o direito à educação, deve garantir a inclusão prioritária da criança em sistema de ensino regular.         “A desídia da Municipalidade em fornecer ao menor tutelado profissional habilitado (enfermeiro) e o cilindro de oxigênio só prejudica a criança, ocasionando prejuízos irremediáveis, que aumentam a cada dia, como prejudica os estudantes que se privam, indevidamente, da sua companhia. Eventual alegação de que o menor já tem acesso à Apae, onde tem todos os cuidados necessários com profissionais habilitados, não convence, já que ficou evidentemente demonstrado que a inclusão em ensino especial é medida subsidiária e/ou integrativa, devendo ser privilegiado ao portador de deficiência o ensino regular, que é prioritário”, concluiu o magistrado. Cabe recurso da decisão.                    imprensatj@tjsp.jus.br
18/10/2019 (00:00)
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.